Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mais Uivos

Cromos do Dia 2

por LoboMau, em 27.03.15

Registo de momentos e piadas de quase 4 anos de inferno...

IMG_20150327_124238.JPG

Cromos do Dia 1

por LoboMau, em 25.03.15

Registo de momentos e piadas de quase 4 anos de inferno...

 

image_73.jpg

 

O governo de um homem humilde e imperfeito

por LoboMau, em 06.03.15
Atraso na entrega do IRS em 2015 anula
direito às deduções.
Bastará entregar a declaração um dia que seja fora do prazo legal para o
contribuinte deixar de poder usar a dedução das despesas gerais familiares
e dos gastos com saúde, que podem atingir 1.600 euros.*

Um atraso,nem que seja de um dia, na entrega da declaração de IRS terá
efeitos drásticos no cálculo do imposto, já que não serão tidas em conta as
deduções das despesas gerais ...

Em 2015, se falhar a entrega do IRS nem que seja por 1 dia, com a nova
fórmula de cálculo do imposto,as suas deduções das despesas gerais
familiares ou de saúde já nada valem.

Esta é primeira alteração drástica introduzida pelo Governo, uma vez que
até aqui os contribuintes podiam ‘atrasar-se’ até 90 dias, sem perder este
benefício fiscal.
Após esse período, a Administração Fiscal emite nota de liquidação oficiosa
com base no que tem conhecimento e desclassifica todas as deduções.

A intenção do Governo, explica o Jornal de Negócios desta segunda-feira, é
que as deduções só operem se a declaração for entregue no prazo legal.
Para Ana Duarte, especialista da PwC, este regime é “bastante mais apertado
do que o que existe actualmente”.

Com esta alteração, explica Ana Duarte, “será muito mais radical e, à
partida, a proposta de revisão não parece ter nenhuma norma que suavize”
esta penalização.

Em causa estão deduções gerais familiares que podem trazer um benefício
para as famílias na ordem dos 600 euros (300 por sujeito passivo) e a
dedução de despesas do agregado com tratamentos de saúde, que, aqui, podem
ir até aos 1.000 euros.

O Governo passará também, neste âmbito, a exigir que todas as faturas,
para que possam ser deduzidas, passem a ser comunicadas pelo comerciante ou
prestador de serviços.

Ou seja,na altura da sua emissão, o contribuinte terá de fornecer o seu
número fiscal, para que esta seja depois comunicada electronicamente ao
Fisco.

Com esta medida as declarações de IRS são, em grande parte, automaticamente
preenchidas – desde que os comerciantes comuniquem os valores, claro ...
Cuidado, pois, com as novas normas.

Para quem se "atrasou" durante 5 anos nas declarações à Segurança Social e também teve algumas falhas em sede de IRS não está nada mau. Pois não?...